top of page

Alunos do Imbé participam de Feira de Ciências realizada pela Uenf



Os alunos da Escola Municipal Fazenda Aleluia, na localidade de Morangaba, no Imbé, conheceram um pouco mais da fauna e flora da região através da Feira de Ciências realizada nesta quarta-feira (24) na unidade escolar, pela Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf). Eles conheceram insetos e abelhas nativas (projeto Ecologia de Abelhas), sementes, frutos e plantas nativas (projeto Herbário) e ainda amostras de troncos de árvores das regiões Norte e Noroeste Fluminense (projeto Xiloteca).


A diretora da escola, Danielle Machado Braga contou que existe uma parceria da Uenf com a comunidade quilombola da região. “Aqui é um reduto dos quilombos ABC, Aleluia, Batatal e Cambucá e hoje eles trouxeram esse projeto para apresentar à comunidade escolar, pois, as escolas dessas localidades também estarão aqui para conhecer o trabalho desenvolvido na universidade com materiais da nossa região como a Xiloteca e o Herbário que falam das plantas, da mata e da vegetação da região”, contou a diretora.


Bolsista da Universidade Aberta do projeto Ecologia de Abelhas e Polinização, Juliana Parente Ribeiro, falou da importância do trabalho desenvolvido com o inseto. “Elas são os principais polinizadores, importante para produção de alimentos e conservação de florestas. Essa conscientização é importante pois a comunidade está próximo à região do Parque Estadual do Desengano”, relatou Juliana.



A Doutora em Entomologia, Professora e Pesquisadora do Laboratório de Ciências Ambientais da Uenf, Maria Cristina Gaglianone, explicou que seu projeto na feira foi desenvolvido através da exposição de material sobre abelhas e polinização.


"Nosso objetivo é divulgar o papel das abelhas nativas na produção de alimentos e na composição da biodiversidade contribuindo para a preservação desses insetos. Nosso projeto atua divulgando nossas pesquisas em áreas de Mata Atlântica e também em áreas urbanas e agrícolas. Temos trabalhado em parceria com o Horto Municipal onde está instalado um hotel de abelhas onde recebemos alunos e pessoas interessadas através de agendamentos. Nosso próximo evento no horto será no dia 05 de junho. Sempre que possível atendemos as escolas, quando somos chamados. Esse foi o caso do evento desta quarta-feira na Escola Aleluia", concluiu.


Para o chefe do Laboratório de Ciências Ambientais e curador do Herbário da Uenf, professor Marcelo Trindade Nascimento, as feiras de Ciências apresentam um papel de extrema importância, principalmente para os jovens e crianças, por possibilitarem aos alunos vivenciarem aspectos que no dia-a-dia eles não têm muito contato.


"Sem dúvida alguma, em geral, eles passam a ter um curiosidade para determinados assuntos e isso é um estímulo para que alguns até decidam pela área da pesquisa e da Ciência. Eu acho que é uma forma interessante de a gente também poder passar para a comunidade e os alunos o que estamos fazendo na academia e nas universidades. É uma forma deles terem ideia de alguns trabalhos desenvolvidos e, sem dúvida, matar a curiosidade ou estimular a buscar mais informações sobre o tema que está sendo proposto na feira. No nosso caso, a gente leva muito o tema da biodiversidade e da importância da conservação no nosso dia-a-dia, visto que a biodiversidade é responsável por vários serviços ambientais e ecológicos importantes como a manutenção hídrica, ou seja, a água que bebemos, ela vem e é disponível em alguns ambientes justamente por termos regiões como solos protegidos, florestas próximas em que o olho d'água e as nascentes estão bem protegidos, isso auxilia também a biodiversidade de florestas nas beiras dos rios e também na redução de erosão que afeta os rios fazendo com que fiquem mais rasos. E comunidades tradicionais como a que essa escola atende que é a do quilombo Aleluia é muito interessante porque eles têm uma relação mais forte com a fauna e a flora da região. São da área rural e em geral tem mais contato com a natureza que os estudantes da área urbana. Isso é muito importante porque eles contribuem passando informações e a gente acaba aprendendo. Então, esses eventos são importantes porque tem troca de informações, ideias e sempre desperta a curiosidade", diz o professor. PROJETOS DA UENF DESENVOLVIDOS NA FEIRA DE CIÊNCIAS:


A Xiloteca Dra. Cecília Gonçalves Costa, da Uenf, fornece subsídios para pesquisa, ensino e extensão, com acervo de referência para diferentes fitofisionomias da Mata Atlântica, divulgação científica e realização de oficinas nas redes de ensino. A coleção de madeiras catalogadas encerrou o ano de 2022 com 800 amostras, armazenadas na forma de blocos, discos ou amostras.


Herbário é uma coleção científica, composta por amostras de plantas secas, provenientes de diferentes ecossistemas, servindo como registro e referência sobre a vegetação e flora de uma determinada região. A formação de herbários iniciou-se no século XVI na Itália, como coleções de plantas secas e costuradas em papel.


Já o Grupo de Pesquisa e Extensão em Ecologia de Abelhas e Polinização conta com uma equipe composta de pesquisadores, pós-graduandos, graduandos e extensionistas. Ao longo dos anos, foi construída uma coleção entomológica centrada nos polinizadores e abrangendo diferentes ecossistemas e áreas agrícolas, principalmente nas regiões norte e noroeste do estado do Rio de Janeiro, sudeste de Minas Gerais e sul do Espírito Santo.




84 visualizações

Comments


bottom of page