Assistentes de Alfabetização participaram de encontro pedagógico


Os dias têm sido de aprendizagem para os profissionais da Secretaria de Educação, Ciência e Tecnologia (Seduct). A última foi a capacitação para Assistentes de Alfabetização do Programa Tempo de Aprender. Eles participaram de encontro pedagógico na Universidade Estácio de Sá. De acordo com a coordenadora do programa Tempo de Aprender, Neidimar Abreu, a reunião teve como objetivo avaliar o trabalho realizado durante o 1º semestre e orientar em relação ao uso do material didático disponibilizado pelo programa, inclusive, o uso do graphogame. O graphogame é um aplicativo, criado pelo Governo Federal, para trabalhar e acompanhar a aprendizagem doa alunos, trabalhando toda a parte de leitura, escrita, sons e letras. “Esse aplicativo trabalha tanto online quanto offline, pode ser baixado no celular para que seja possível usar na sala de aula. Lembrando que não é só o assistente que pode trabalhar com esse aplicativo, mas todos os educadores da rede pública”, diz Neidimar. Segundo a coordenadora, o assistente de alfabetização é responsável pela realização das atividades de acompanhamento pedagógico sob a coordenação e supervisão do professor alfabetizador, conforme orientações da Secretaria de Educação e com o apoio da gestão escolar. O assistente trabalha com alunos do 1º e ou 2º ano de escolaridade. O programa Tempo de Aprender foi criado pela Secretaria de Alfabetização do MEC, e tem o objetivo de apoiar, aperfeiçoar e valorizar a formação de professores e gestores escolares do último ano da pré-escola e do 1º e 2º anos do ensino fundamental. O programa auxilia os professores no planejamento das aulas, pode ser adaptado à necessidade dos usuários e dispõe de recursos como estratégias de ensino, atividades e avaliações formativas. “Essa capacitação pedagógica é importante para que possamos acompanhar de perto o trabalho do assistente de alfabetização para que isso surta efeito na aprendizagem dos alunos porque o trabalho desse profissional é justamente o foco com estudantes que estão no processo de alfabetização, recuperando a aprendizagem deles no que se refere à prática de leitura e escrita. Esse acompanhamento é muito importante porque o assistente trabalha junto com o professor e faz essa conexão de aprendizagens de forma diversificada, com estratégias dinâmicas. E o trabalho não é repetir o que o educador faz em sala de aula e, sim, potencializar o trabalho através de jogos, brincadeiras, que venham dar mais qualidade à aprendizagem”, pontua Neidimar.

36 visualizações