Feiras de Ciências despertam a atenção na IX Semana Nacional de Ciência e Tecnologia







A programação da IX Semana Nacional de Ciência e Tecnologia de Campos prossegue até sexta-feira (21) com várias atrações. Dentre elas a VIII Feira de Ciência, Tecnologia e Inovação, com participação das escolas das redes de ensino municipal, estadual e privada, e a III Feira de Ciências dos Anos Iniciais. Aberto quarta-feira (19) pelo prefeito Wladimir Garotinho e pelo secretário de Educação, Ciência e Tecnologia, Marcelo Feres, o evento acontece no Jardim São Benedito, das 9h às 16h, é gratuito e aberto ao público em geral.


A coordenadora do evento, Carla Salles, explica que o objetivo é mobilizar a população em torno de temas e atividades científicas. “Queremos valorizar a criatividade, a inovação, bem como destacar a importância da ciência e da tecnologia para a vida de todos, melhorar o desempenho escolar e social dos alunos da nossa Rede, através do estímulo à leitura, pensamento e atuação como investigadores. Através das experiências visamos despertar o pensamento crítico, e despertar o desejo de seguirem carreiras científico-tecnológicas”, disse Carla.


Segundo Carla, os stands das universidades e das escolas têm cumprido bem esse papel: o de aguçar a curiosidade. Aluna do Terceiro Ano, Layla Maciel, estava ansiosa para observar espécies de micróbios no microscópio levado para o Stand da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf). No local, o professor Fábio Olivares destacava a importância dos fungos e de todo processo microbiano na produção de plantas para a Agricultura. “Eu achei muito interessante observar os micróbios”, disse Layla.




Assim como a Uenf, a Universidade Federal Fluminense (UFF), o Instituto Federal Fluminense (IFF), Estácio de Sá, e o colégio Salesiano, fazem parte das 84 instituições, entre elas, 51 escolas, presentes na IX Semana Nacional de Ciência e Tecnologia.


No Stand do colégio Salesiano, o público tem a oportunidade de conhecer quatro propostas que permeiam a tecnologia de forma sustentável. Entre eles, a professora Carla Tatiana da Silva Ernesto citou o projeto Bicicleta do Futuro. “As crianças construíram minibicicletas para mostrar a importância de utilizar um meio de transporte mais saudável. Temos ainda processos químicos que mostram a quantidade de açúcar que consumimos e também estamos falando sobre a importância do sistema”.





No IFF, as crianças se encantaram com a Cultura Maker. O professor Jonivan Lisboa explicou

que o laboratório Maker tem como objetivo estimular a criatividade dos estudantes através da confecção de trabalhos com impressão 3D. Em outro Stand do IFF era possível ver a dispersão de moléculas através do uso da água, detergente e orégano. “Como a gente não consegue ver a olho nu, usamos o orégano porque o ele se concentra na borda do prato ao misturar os ingredientes”, resumiu a aluna da instituição, Ana Clara Kock.





No estande da Firjan/Senai está disponibilizada aos visitantes uma série de tecnologias, como um robô construído com lego e movimentado via celular; uma impressora 3D fabricando peças ao vivo, além de protótipos de produtos já fabricados pelo equipamento; e uma mini fresadora também utilizada na fabricação de peças diversas, mas pela retirada de materiais, num processo conhecido como usinagem. Os equipamentos compõem a infraestrutura disponibilizada aos alunos na Firjan Senai Campos.



A Enel Concessionária de Energia participa com exposição da Van Experience, uma van tecnológica com muita informação sobre energia e sustentabilidade com ferramentas de inclusão e acessibilidade.



PARTICIPAÇÃO DAS ESCOLAS


A Escola Municipal José do Patrocínio desenvolveu quatro projetos. Um deles era o de criação de aplicativos. “Os alunos criaram um aplicativo no qual é possível ter acesso aos horários escolares, calendário letivo, entre outras informações, que facilitam o dia dos estudantes”, disse a professora Priscila dos Santos. A escola também trabalhou a questão da inclusão com a confecção de um jornal impresso.





Já a Escola Municipal Marechal Arthur da Costa e Silva levou dois projetos para a IX Semana. Um deles relacionado aos métodos contraceptivos e as Infecções Sexualmente transmissíveis (ISTs). Além disso, a unidade trabalhou a questão dos negros no Bicentenário da Independência. A professora Simone Almeida, explicou que os alunos realizaram uma pesquisa dos negros que fizeram história como Nilo Peçanha, Machado de Assis e Zumbi dos Palmares, entre outros.


O Cemstiac participa com três projetos que já são desenvolvidos na escola: Uma maquete representando as diferentes fontes de energia alternativa, representadas pela energia solar, eólica e trem magnético, além das práticas sobre levitação magnética e práticas relacionadas à microscopia. Professor de Ciências, Gustavo Viana, explica que uma delas está relacionada a células animal e vegetal, suas principais características e uma prática onde é realizada a regeneração em planárias, utilizadas em modelos de estudo genético.


“A Semana é de suma importância, não só pela divulgação do trabalho, mas também para divulgação do conhecimento científico e novas possibilidades de uso da tecnologia e também para o preparo e formação de alunos. Então, é um projeto essencial para o conhecimento dos alunos em relação ao conhecimento técnico, aplicação de tecnologias e uso dessas tecnologias na resolução de problemas da sociedade”, finalizou o professor.

39 visualizações