top of page

Hora da Educação recebe promotora da Infância e Juventude, Anik Rebello





A partir deste mês de junho, o Programa Hora da Educação está com uma novidade: as entrevistas estão sendo gravadas fora do estúdio da Secretaria Municipal de Educação, Ciência e Tecnologia (Seduct). O bate-papo desta semana será com a promotora de Justiça de Tutela Coletiva da Infância e Juventude, Anik Rebello Assed Machado, que conversará com o secretário de Educação, Ciência e Tecnologia, Marcelo Feres, sobre o Projeto Infância em Ação.


A gravação acontecerá na sede do Ministério Público na tarde desta terça-feira (13) e o Programa vai ao ar na quarta-feira (14) às 19h, no canal da Seduct no Youtube .


Iniciado no dia 13 de maio, o projeto visa promover ações de forma periódica para mapear, sob a ótica das crianças e adolescentes matriculados na rede municipal de ensino de Campos dos Goytacazes, as demandas por políticas públicas em suas áreas de convivência. Trata-se de ação da Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva da Infância e Juventude de Campos, do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP/RJ) em parceria com a Seduct.


Na semana passada, o Ciep Custódio Siqueira, no Calabouço, foi o local escolhido e o professor de Matemática da unidade, Murilo Souza, foi o entrevistado. Ele falou sobre "Experiências Educacionais Inovadoras na Rede Municipal - Pensamento Computacional". Murilo é formado pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e leciona para a turma do 9º ano sobre projetos de computação.





"Estou desenvolvendo com eles o pensamento computacional, uma habilidade onde a gente vai resolver problemas podendo utilizar a tecnologia ou não. A gente chama isso de atividade plugada ou desplugada, depende se usa ou não a tecnologia. É onde a gente incentiva o aluno a ter raciocínio lógico e colocar em prática para resolver e solucionar certos problemas", explicou Murilo.


E como criatividade não falta na hora de ensinar, o professor citou ainda um exemplo no qual ele utilizou um jogo muito tradicional que é o "queimado" para ensinar matemática.


"Havia uns alunos que estavam com muita dificuldade com a tabuada. Para auxiliar a compreensão eu propus à turma que fizéssemos um "queimado matemático" e foi um sucesso. Funciona da mesma forma do jogo, mas quando o aluno é "queimado" para ele continuar na partida tem que acertar a tabuada. Então, todo mundo estudou", disse Murilo.


Marcelo Feres destacou a importância da interação e de um novo olhar sob a nova forma de aprender. "A gente observa que essas novidades que Murilo está trazendo aqui são essenciais para a Educação. Eu vou aproveitar aqui para fazer um convite. A gente está iniciando esse tipo de abordagem, visitando a unidade escolar, conhecendo melhor a prática do dia-a-dia, eventualmente, os problemas também. Claro que a gente quer destacar aquilo que é positivo porque há muita coisa boa acontecendo na nossa Rede. Então, se você é professor do município, tem uma experiência legal, por que não podemos trocar essa experiência e compartilhar com outros colegas? Estou propondo que as boas práticas possam, de fato, ter um alcance maior e nos aproximar ainda mais", convida o secretário.



30 visualizações

Comments


bottom of page