top of page

Merenda escolar de Campos é referência em qualidade e continua avançando






"Hoje, a alimentação em nossa creche é perfeita, balanceada, tudo com a higiene necessária, muita variedade de frutas, verduras, sucos e saladas. Tudo de excelente e altíssima qualidade". O depoimento é da professora da educação infantil há 19 anos, Tânia Goret dos Santos Rosa, lotada na Creche Escola Sebastião Tavares Campista, no Turfe. O padrão de qualidade vem se repetindo em todas as unidades escolares da rede municipal de ensino.


Quem concorda com ela é Joyce Almeida Fraga, mãe de Betina Cabali Fraga, 2 anos, aluna do maternal 2 na mesma unidade. "Minha filha se alimenta muito bem na escola e está completamente adaptada. Ele está muito bem nessa creche e só tenho a agradecer aos gestores e toda equipe", disse.


A representante do Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição Escolar (Cecane), nutricionista agente do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), Lucia França Santos, elogiou o trabalho de Campos e disse que o município se tornou modelo no que se refere ao processo de terceirização da merenda escolar ao separar os processos de compra e pagamento. “Estamos muito felizes com o trabalho desenvolvido pelo município, pois, além de não ter nenhum tipo de denúncia, a equipe realizou o trabalho de terceirização de forma primorosa", afirmou Lucia.





Em parceria com a empresa fornecedora de merenda escolar, a Secretaria Municipal de Educação, Ciência e Tecnologia (Seduct) está promovendo ciclos de palestras para pais e funcionários sobre educação saudável, como destacou o secretário da pasta, Marcelo Feres. O objetivo é promover a conscientização das crianças e responsáveis, falar sobre a importância dos alimentos e do prejuízo que o açúcar pode trazer à saúde, principalmente dos pequenos.


"Seguimos a orientação do Pnae e temos controle do uso de açúcar para evitar sobrepeso e outras doenças. No entanto, a Secretaria de Educação está buscando alternativas e dialogando com outros municípios, a fim de conhecer outros modelos exitosos e avaliar a possibilidade de substituir o açúcar por mel, já que em algumas creches, há crianças recusando alimentos como o mingau, ofertado uma vez por semana, em razão de não ser adoçado, pois em casa costumam ingerir açúcar”, informou Marcelo.




Em razão do trabalho de excelência, Campos foi selecionada pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) para participar de uma atividade de monitoramento e assessoria técnica junto às prefeituras do Rio de Janeiro, que tem como objetivo levantar informações e prestar apoio junto ao Pnae, segundo a coordenadora de Nutrição Escolar da Seduct, Suellen Balbino da Silva.



"O FNDE instituiu na Resolução Nº 6, de 8 de maio de 2020, parágrafo 8º, que é proibido ofertar alimentos ultraprocessados e a adição de açúcar nas preparações culinárias e bebidas para crianças até 3 anos de idade. Já o artigo 19 trata da alimentação dos estudantes com mais de 3 anos de idade, permitindo o consumo de açúcar simples em no máximo 7% de energia total. A alimentação escolar do município busca atender a legislação vigente visando contribuir para formação de hábitos saudáveis dos alunos, por meio de ações de educação alimentar e nutricional e da oferta de refeições que cubram as suas necessidades nutricionais. São realizadas constantes testes de aceitabilidade para introdução de novas preparações para promover o cardápio mais diversificado e atrativo”, informou Suellen.


Nas creches do município, a Coordenação de Nutrição orienta as empresas terceirizadas para que, por exemplo, os sucos sejam feitos com frutas e polpas de frutas mais adocicadas, respeitando a resolução e buscando alternativas para manter a aceitação dos alunos. “Já para crianças acima de 3 anos, conforme permitido pela resolução, está disponível até 10 gramas de açúcar na refeição suplementar dos alunos. Nosso cardápio atende todas as recomendações nutricionais vigentes de acordo com a legislação atual, buscando alternativas saudáveis e que atenda ao paladar dos alunos", explicou Suellen.





Agricultura Familiar


A Prefeitura de Campos abriu um processo de chamamento público para o fornecimento de ingredientes para a produção da merenda escolar no município, que contou com participação de cerca de 40 agricultores familiares de municípios como São Francisco de Itabapoana, Cardoso Moreira, Bom Jesus do Itabapoana e Campos, sendo esse um dos grandes passos da Seduct para continuar garantindo uma merenda de qualidade. A assinatura do contrato dos grupos vencedores acontecerá no início de abril.



FOTOS: CÉSAR FERREIRA E MAURO ANTÔNIO

249 visualizações

Comments


bottom of page