top of page

Palestras e oficinas marcam último dia do Seminário Reconexões 




Com a palestra “(Des) aprender para ensinar – A construção do sentido do fazer docente", ministrada pelo professor de matemática e História, especialista em Neuropsicopedagogia, Diego Feytosa, o Seminário Reconexões - Saberes em Rede continua hoje na Universidade Estadual Norte Fluminense (Uenf), Universidade Salgado de Oliveira, Tec Campos e localidades como Farol de São Tomé e Santa Maria.


Pela manhã, estão sendo realizadas oficinas como por exemplo, “Corpo Sensível”, com a equipe Arte Cultura na Escola, na E.M Farol de São Tomé. Já na E.M Santa Maria, a oficina ofertada é “Confecção de Jogos de Sucata”, ministrada pela oficineira Helena Cristina. Ainda em Santa Maria, tem a oficina "Cinema e Temas Transversais", com o oficineiro Heitor Benjamin.


Na Uenf, foi realizada a palestra Humildade nas organizações - reflexões sobre humildade para cooperação, aprendizagem e inovação, com Sylvia Mello e Patrícia Tomei. Em seguida, foi desenvolvida a palestra “Formando o Futuro: Estratégias para Desenvolver Competências Empreendedoras na Escola e Preparar para o Mercado de Trabalho", com Saulo Jardim.







Na parte da tarde o seminário continua com a realização de mais de 10 oficinas espalhadas por vários locais como Universidade Salgado de Oliveira, Escola de Formação dos Educadores (Efem), Escola Municipal Dr. Luís Sobral, Centro de Convenções da Uenf e nas unidades escolares de Santa Maria e Farol de São Tomé.


Na tarde dessa quinta-feira (1), uma das palestras realizadas foi “Mediação de conflitos para comunicação exitosa e aprimoramento de resultados: ei! existe um ruído aqui! vamos procurar onde está?", desenvolvida pelo graduado em Letras, pesquisador sobre Neurociências, Comportamento e Transformações Culturais, Natan Azevedo. Ele ressaltou a importância da comunicação e de sua interpretação.




“Nossas ações e nossas expressões, a todo momento dizem muito sobre nós. Será que a gente escuta com o objetivo de responder ou acolher? Geralmente responder, mas, às vezes, o outro quer da gente apenas o silêncio. A comunicação pode ser feita de forma verbal ou não verbal. Um olhar pode ser violento. A gente precisa ficar muito atento”, finalizou Natan.

103 visualizações

コメント


bottom of page