Programa de Bolsas Mais Ciência na Escola recebeu 35 projetos


O Programa Mais Ciência na Escola recebeu 35 projetos que começaram a ser avaliados pela Secretaria Municipal de Educação, Ciência e Tecnologia (Seduct) essa semana. O processo de inscrição terminou no dia 27 de março. Trata-se do processo de seleção de projetos de pesquisa e seleção de estudantes bolsistas de iniciação científica júnior, voltado aos professores e alunos da rede municipal de ensino. A seleção teve início em 28 de março e prossegue até 10 de abril deste ano. A divulgação dos resultados está prevista para o dia 22 de abril. De acordo com a coordenadora do Programa, Carla Sales, dos 35 projetos, 29 foram de ciências da natureza, 5 de matemática e um de ciências humanas. “Foi um número muito expressivo e estou muito satisfeita, porque as escolas ficaram dois anos praticamente paradas. Somente agora os alunos estão retornando para a escola e os professores tiveram a oportunidade de conhecê-los há muito pouco tempo. Fizemos vários encontros com os professores de ciências na intenção de mobilizar, estimular e envolver os professores, disponibilizamos modelos de projetos e eles se sentiram mais seguros. Os projetos estão bem fundamentados, com justificativas das propostas bastante coerentes”, disse Carla. Alunos e professores de unidades como as Escolas Municipais José do Patrocínio, Ciep Arnaldo Rosa Viana, Lions 1, Frederico Paes Barbosa, Nossa Senhora Aparecida, Professora Olga Linhares Correa e Ciep Francisco Portela estão participando com propostas de trabalhos. Alguns temas abordados são: Bio-horta pedagógica: desenvolvimento de vivências e práticas educacionais voltadas para o ensino de ciências por meio da agroecologia urbana; Composteira na escola: uma forma de conscientização ambiental; Produção e distribuição de sabão ecológico em comunidade escolar a partir do reaproveitamento do óleo de fritura: uma ação de enfrentamento à covid- 19; Doses de natureza: uma proposta para o desenvolvimento global na primeira infância; Desenvolvimento sustentável: uso de bioplástico como alternativa para redução de danos ambientais; Criação e desenvolvimento de aplicativos de caráter pedagógico: interface entre a ciência, tecnologia, sociedade e ambiente; Divulgação científica nas redes sociais: uso de quadrinhos e animações para o ensino de ciências no instagram; Utilização de biofilmes na conservação de frutas: uma estratégia contra o desperdício e a poluição ambiental; Uso do STOP MOTION como estratégia para o ensino de física. O secretário de Educação, Marcelo Feres, explica que o objetivo é apoiar, por meio de concessão de bolsas e de taxas de bancada, o desenvolvimento de projetos de Iniciação Científica Júnior (ICJr) de interesse da Secretaria, a fim de estimular a vocação científica e a formação de novos pesquisadores nas escolas municipais do ensino fundamental anos finais – nas modalidades regular (de 6º ao 9º ano) e EJA (de VI a IX fase). As ações acontecerão articulando as pesquisas e atividades com as demandas necessárias ao processo de melhoria da qualidade do ensino no município. “Serão concedidas até 120 bolsas nas categorias de ICJr, 40 bolsas de apoio científico e tecnológico para o professor orientador e 40 taxas de bancada, para projetos desenvolvidos nas temáticas apresentadas no edital”, explicou Marcelo. O valor da bolsa de ICJr pago ao estudante será de R$ 160,00 mensais e da bolsa de apoio científico e tecnológico paga ao professor orientador será de R$ 300,00 mensais, enquanto a taxa de bancada ao professor orientador terá o valor de R$ 1.000,00 pagos em duas parcelas de R$ 500,00, sendo a primeira na aprovação do projeto e a segunda na aprovação do relatório parcial, ao final do 4º mês de seu desenvolvimento.

6 visualizações