Projeto Saúde Auditiva nas Escolas é apresentado em duas universidades da Espanha



O Programa Saúde na Escola, da Secretaria de Educação, Ciência e Tecnologia (Seduct) esteve presente na Jornada “Diálogos Acadêmicos Brasil-Espanha: Perspectivas da Cidadania na Contemporaneidade”, realizado na Espanha entre os dias 16 e 19 de outubro. O evento aconteceu nas Universidades de Burgos (UBU) e Complutense de Madrid (UCM). Professores e pesquisadores do Centro Universitário Fluminense (Uniflu) também estiveram presentes. A Fonoaudióloga do PSE, Ilma Alessandra Cabral, falou sobre a Promoção da Saúde Auditiva nas Escolas e a Efetivação de Políticas Públicas, apresentando as estratégias desenvolvidas no município de Campos e abordando a importância da audição para o desenvolvimento infantil e para aprendizagem da leitura e escrita.


O projeto “Saúde Auditiva nas Escolas, é desenvolvido pelo PSE nas unidades escolares do município, em parceria com a Uniflu. Além de orientação sobre saúde auditiva, a equipe realiza o procedimento de meatoscopia, que consiste num exame de fácil realização e de grande utilidade para o diagnóstico da maioria das doenças do ouvido. A Promoção da Saúde Auditiva e a Identificação de educandos com possíveis sinais de alteração é uma das 12 ações preconizadas pelo PSE.





Na apresentação, a Fonoaudióloga explicou que, segundo o Relatório Mundial sobre Audição da Organização Mundial de Saúde (OMS, 2021), cerca de 2,5 bilhões de pessoas em todo o mundo viverão com algum grau de perda auditiva até 2050. Ainda de acordo com o relatório, grande parte dos casos de deficiência auditiva poderia ser prevenida, e seus efeitos, minimizados, se a intervenção fosse iniciada de maneira precoce.


“A detecção precoce de alterações auditivas e a intervenção imediata em crianças que apresentam essa perda favorecem seu desempenho acadêmico, emocional e social. Essas alterações impactam de forma significativa o indivíduo e a sociedade e podem ser observadas já nos primeiros anos de vida escolar. Nas crianças, os prejuízos são ainda maiores, uma vez que a audição fornece a principal fonte para a aquisição da linguagem. Dessa forma, pode interferir no desenvolvimento infantil e, por conseguinte, no processo de alfabetização”, informou Ilma.


O Coordenador do PSE, João Paulo de Oliveira, ressaltou a importância de o programa ser conhecido em outros países e outras culturas. “O ser humano é um ser social; assim, compartilhar o seu conhecimento é justamente você poder interagir com toda a sociedade. poder compartilhar boas práticas, é começar a conviver e melhorar o meio em que você está inserido. É claro, se for uma ação benéfica. É muito gratificante poder ver um projeto que é executado no Programa Saúde na Escola ser divulgado fora do Brasil e poder servir de exemplo como ações de educação em saúde promovidas dentro das escolas”, finalizou o coordenador.




10 visualizações