top of page

Saeb ajuda a diagnosticar aprendizagem na Rede Municipal



Com o objetivo de diagnosticar e orientar estratégias de recuperação da aprendizagem não demonstrada pelos alunos, a Secretaria de Educação, Ciência e Tecnologia (Seduct) através de parceria com o CAEd-UFJF tem realizado semestralmente desde 12/2021 a aplicação de avaliações do 2º ao 9º ano em todas as escolas da rede municipal de ensino.


As avalições elaboradas pelo CAEd-UFJF, baseadas na BNCC e nos níveis de proficiência apresentados pelo Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), permitem identificar as deficiências na aprendizagem de cada aluno, em língua portuguesa e matemática, em cada ano de escolaridade e em cada escola. Os fatores que podem interferir no desempenho do estudante também são considerados a partir das análises construídas pela Seduct juntamente com diretores, pedagogos e professores de suporte pedagógico que atuam nas escolas.


A próxima avaliação CAEd-UFJF acontecerá em junho/2023 do dia 12 ao dia 30 contemplando alunos do 2º ao 9º ano de escolaridade.


A diretora pedagógica da Seduct, Tânia Alberto, explica que esta avaliação diagnóstica, de caráter formativo, é desenvolvida pelo Centro de Avaliação Nacional da Universidade Federal de Juiz de Fora (Caed), instituição parceira do Ministério da Educação (MEC) para avaliações de larga escala. O Centro é um instituto respeitado e renomado no país inteiro com competência técnica enquanto instituto de avaliação. Ano passado, mais de 80% dos 55 mil alunos da Rede Municipal fizeram as avaliações.


De acordo com Tânia, a Seduct não tem um sistema próprio de avaliação de toda a Rede Municipal de Ensino, o que há é o processo regular de cada escola que faz suas avaliações bimestrais. E a secretaria sentiu a necessidade de ter essa avaliação institucional para ter parâmetros de análises de desempenho mais precisas.


“Fizemos então, uma parceria com o CAEd-UFJF, contratamos os serviços do instituto para poder fazer a aplicação dessas avaliações. Eles têm um formato de um bloco de três avaliações que geralmente é feito no início do ano letivo no meio e no final, que é uma estratégia de percurso para ir mensurando se as crianças foram adquirindo as habilidades necessárias. Nós optamos, por causa da logística que é muito complexa para a nossa rede, por esticar esse bloco e não fazer a avaliação do início do ano. Então, nós as realizamos no meio e no final do ano letivo porque entendemos que o que foi identificado no final do ano não terá sofrido grandes alterações no início do ano letivo subsequente.


“Depois da aplicação da primeira avaliação diagnóstica em 12/2021, quando ainda não estávamos com todas as unidades com ensino presencial devido a pandemia por covid 19, começamos a ter alguns parâmetros para olhar o geral e o específico de cada aluno, cada série, cada turma e cada escola. Da mesma forma que cada escola possui acesso através de uma plataforma digital elaborada pelo CAEd-UFJF de todas os resultados obtidos por cada um dos alunos que responderam às avaliações bem como as habilidades demonstradas como aprendidas ou não aprendidas.


Ano passado nós fizemos uma avaliação no meio do ano e outra no final do ano. Essa avaliação realizada em dezembro de 2022 é o parâmetro que estamos usando agora para orientar os projetos de reforço escolar para o ano letivo de 2023.


Como mencionado anteriormente, as avaliações elaboradas pelo CAEd-UFJF estão alinhadas com a Base Nacional Comum Curricular – BNCC e os níveis de proficiência a serem demonstrados pelos alunos em língua portuguesa e matemática, adotados pelo Saeb.


Ao adotar as habilidades que o Saeb utiliza para medir o desempenho dos alunos em suas avaliações bianuais que compõem o IDEB, essas avaliações do CAEd-UFJF nos orientam para estarmos em sintonia com o que é utilizado de parâmetro pelo INEP nas avaliações de larga escala.


Quando falamos Saeb só se consegue lembrar da prova do Ideb e não é somente isso. Saeb é um sistema norteador da educação básica no Brasil, é o que estabelece parâmetros mínimos de aprendizagem e condições de ensino entre outras coisas, que envolvem a política pública de educação básica. O que é avaliado através da prova Saeb no 5º e no 9º ano é o acumulado do aprendizado ao longo de todos os anos de escolaridade no ensino fundamental, assim como faz a prova do Enem no Ensino Médio que mede o acumulado de todas essas aprendizagem da educação básica”, explica.



BENEFÍCIOS DO CAED


A diretora pedagógica explicou ainda que uma das vantagens da parceria com o Caed, é que o instituto elabora as provas, que são avaliações técnicas com parâmetros muito específicos para mensurar a competência cognitiva das crianças através das habilidades previstas na BNCC e no Saeb além de oferecer plataforma digital com análise dos dados e sugestões para superação das dificuldades acessível a todas as escolas e a Seduct.


“O Caed prepara as avaliações e a Seduct realiza o trabalho de reprodução física porque nós optamos pela prova de papel. Em alguns municípios essa prova já é digital, ele disponibiliza a plataforma e o aluno vai direto para o computador e faz a prova. Nós entendemos que esse formato digital ainda não é possível em toda a nossa rede de escolas devido a sua complexidade. Então após a reprodução das provas e distribuição, as escolas aplicam aos alunos e lançam na plataforma CAEd. Assim que as análises são concluídas pelo CAED, a Seduct e as escolas passam a ter acesso às informações obtidas.


Nós, do departamento pedagógico temos acesso aos resultados de todas as escolas e os diretores, pedagogos e professores de suporte pedagógico conseguem ver o resultado de toda a sua escola e cada professor consegue ver a sua própria turma, aluno por aluno e desse modo observa-se todas as questões que o aluno errou e acertou. Com isso é possível direcionar a prática pedagógica em cada sala de aula. Onde tem mais erros na turma? Quais as habilidades que estão mais fragilizadas? O que precisa ser mais trabalhado para desenvolver as habilidades não consolidas. Essas e outras questões fazem parte do cotidiano pedagógico de professor, escolas e Seduct e orientam as intervenções pedagógicas necessárias”.

E o SAEB. É OBRIGATÓRIO?


Uma das principais dúvidas de pais e alunos é se a aplicação das provas do Saeb é obrigatória ou não. Tânia explica que o Saeb, não é obrigatório para as redes privadas de ensino básico, entretanto as redes públicas, não tem essa opção.


“Não faz sentido as redes de ensino público ficarem de fora, pois, um dos critérios de avaliação para nortear as políticas públicas nacionalmente é exatamente estar submetido às regras que estabelecem parâmetros de aferição nacional, então, o Saeb, por ser avaliação em larga escala que aplica-se a escolas públicas de todo o território nacional, contribui para a elaboração de políticas públicas que vão atender aqueles que estão com maior dificuldade dentro do sistema nacional de ensino de modo a buscar a educação pública com qualidade para todos”, conclui Tânia



26 visualizações
bottom of page