Sala-estúdio do projeto Estação Educação inaugurada na Escola Maria Lúcia


A sala-estúdio do Projeto Estação Educação, nomeada de professora Sylvia Cristina Brunichilli Cabral, foi inaugurada, na manhã desta quarta-feira (18), na Escola Municipal Maria Lúcia, no Parque Turf Club, pelo secretário de Educação, Ciência e Tecnologia, Marcelo Feres. Participaram do evento a subsecretária de Ciência e Tecnologia, Suzana da Hora; o subsecretário de Gestão Operacional, Nilo Manhães; a coordenadora pedagógica do projeto Estação Educação, Neidimar Abreu, e o diretor de Mídias Digitais da Secretaria, Welliton Rangel. Essa foi a terceira sala-estúdio do projeto inaugurada este ano. A segunda foi implantada na Creche João Perdecene Neto, Lapa, em 27 de abril, e a primeira foi inaugurada na sede da Secretaria de Educação, Ciência e Tecnologia (Seduct), em março. O objetivo é a gravação e edição de vídeos educacionais produzidos pelos departamentos e coordenações da Secretaria. Marcelo Feres lembrou que esteve na Escola Maria Lúcia no início de março, quando foi iniciada a segunda etapa das aulas presenciais no município. “É com muita alegria que retorno a essa unidade, fazendo parte de um projeto tão importante quanto esse. É um momento muito especial. Essa sala é fruto do esforço de toda equipe. É a prova que a educação tem jeito. Tudo isso que estamos fazendo é pela escola, pelos alunos e, principalmente, pelo futuro de todos”, disse o secretário. Neidimar Abreu ressaltou que os conteúdos produzidos nas salas-estúdios estão inseridos nas diretrizes do Programa de Aprendizagem Eficiente (PAE), de acordo com cada ano de escolaridade. Ao todo, cerca de 30 professores fazem parte do Estação Educação. “Depois da pandemia, esse projeto vem recuperar e potencializar a aprendizagem. A inauguração desta sala, aqui no Maria Lúcia, é importante porque é um local de fácil acesso para os professores”, explicou Neidimar. Já Welliton Rangel adiantou que as próximas inaugurações vão ocorrer na Escola Municipal Getúlio Vargas, em Tocos; no Ciep Wilson Batista, em Guarus, e na Escola Amaro Prata Tavares, no Centro. “O projeto envolve a gravação de videoaulas dos diversos componentes curriculares da Educação Infantil, Ensino Fundamental Anos Iniciais e Finais e EJA”, pontuou. A diretora do Maria Lúcia, Ana Maria Santiago Pessanha, falou dos benefícios que a sala-estúdio vai trazer para a unidade escolar. “É, sem dúvida alguma, um avanço tecnológico onde as crianças serão beneficiadas e os professores poderão criar e avançar no ensino-aprendizagem”, acredita a diretora. Ao todo serão 13 salas-estúdio preparadas com 24 câmeras, iluminação, microfone e outros recursos, nas unidades escolares selecionadas, para que os professores apresentem conteúdos previstos para cada semana de aula, por meio de “estações”, separadas por níveis educacionais. O professor poderá fazer uso de diferentes materiais para preparar suas aulas e gravações dos diversos componentes curriculares, mas o conteúdo didático-pedagógico que norteará o trabalho será disponibilizado pela Seduct.

9 visualizações