Secretaria de Educação com Reforço Escolar para alfabetização e letramento

Os professores do Projeto vão receber formação continuada até dezembro deste ano e são ministradas por professores alfabetizadores ligados ao Departamento Pedagógico

Foto: Reprodução / Google Meet


A Secretaria Municipal de Educação, Ciência e Tecnologia deu início ao Projeto de Reforço Escolar para Alfabetização e Letramento na rede municipal de ensino. Cerca de 250 educadores atuam no projeto e iniciaram o processo de formação continuada no dia 31 de agosto. As capacitações vão continuar acontecendo até dezembro deste ano e são ministradas por professores alfabetizadores ligados ao Departamento Pedagógico.


Segundo o secretário da pasta, professor Marcelo Feres, as aulas de reforço acontecem de forma presencial nas unidades escolares já inseridas no ensino híbrido seguro, no contraturno das aulas regulares. “Nas escolas que estão atuando de forma online, os professores fazem plantão semanal para atendimento aos responsáveis pelos alunos, aplicar atividades, tirar dúvidas e corrigir simulados, etc. Nenhuma turma ficará sem o professor de reforço”, assegurou Marcelo.

De acordo com a diretora pedagógica, Tânia Alberto, o Projeto atende alunos do Pré-3, 1º e 2º anos de escolaridade. “Criamos esse projeto para atender crianças que sequer tiveram uma alfabetização consolidada no ano passado, pois as escolas estavam fechadas na maior parte do tempo. São dois anos de escolaridade imensamente comprometidos no seu processo de alfabetização. Além disso, muitos desses alunos vêm de um ambiente social mais desfavorecido, dependentes de benefícios sociais, sem acesso a tecnologias, computador ou celular e, ainda, sem a disponibilidade dos pais para acompanharem as aulas, pois trabalham o dia inteiro. São alunos que ficam vulneráveis no horário da aulas online, e é muito difícil para eles estudarem sozinhos, pois não conseguem criar uma rotina”, explicou Tânia.


O Projeto conta a participação de professores substitutos e de professores de creche realocados este ano. Eles atuam de segunda a sexta, atendendo a grupos organizados pela gestão da escola, de forma que cada aluno esteja presente, no mínimo, duas vezes por semana no projeto. No caso das escolas que ainda não iniciaram o híbrido, o atendimento acontece online por quatro dias e um plantão presencial por semana.


A coordenadora de Ensino Fundamental 1, Verônica Gomes, acrescentou que esses educadores já estavam acompanhando o trabalho dos professores regentes, conhecendo os alunos e promovendo a interação com os mesmos, antes de iniciarem a formação. “As capacitações acontecem de 15 em 15 dias. Os formadores são professores alfabetizadores, também responsáveis pela elaboração dos Cadernos de Atividades de Pré-3, 1º, 2º e 3º anos, com vasta experiência na área”, destacou.


Reportagem: Kamilla Uhl

30 visualizações