Selecionados no Programa de Bolsas Economia Criativa desenvolvem ações inovadoras


“Eu e minha sócia, Larissa Cabral, antes da pandemia tínhamos uma loja, física, multimarcas, aqui na cidade, e com o isolamento foi necessário fechá-la. Foi quando a Prefeitura lançou o primeiro edital de apoio à Economia Criativa, submetemos o nosso projeto, que na época era só uma ideia de negócio. Participamos do programa, construímos o Plano de Negócio da marca e em março de 2021 iniciamos as atividades”. O relato é da empresária Juliana Martins que, assim como outras nove pessoas, foi selecionada para o Programa Municipal de Apoio à Economia Criativa, da Secretaria Municipal de Educação, Ciência e Tecnologia (Seduct). Juliana conta que essa é a segunda vez que participa do programa de economia criativa. O projeto dela e da sócia é a “Caiana Slow Fashion”, uma marca autoral de roupa feminina. Ela ressalta que a Caiana é uma empresa sustentável, que não gera resíduos com a produção e todo os retalhos são destinados a um grupo de mulheres do município que fazem artesanato e vendem esses produtos em feiras. “Também trabalhamos com processos socialmente responsáveis e, por isso, fomos selecionadas no programa Iniciativa Jovem da Shell para nos tornarmos parceiros e receber o selo de empresa sustentável”, disse Juliana.

Diferente de Juliana, a estrategista digital e empresária Laís Lessa Ayache participa do Economia Criativa pela primeira vez. O projeto dela é apresentar a Cidade da Criança em Metaverso. O objetivo é divulgar ainda mais o local para que seja mais conhecido em Campos e redondezas, atraindo mais pessoas para o espaço. Ela explica como funciona: “O Google tem estudos de que quando é mostrado um local ou atração, de forma detalhada, em 360º, a vontade de quem estar vendo em conhecer, aumenta significativamente. E com a plataforma do Metaverso vamos mais adiante, pois além de montar a ambiência da melhor forma que existe atualmente, utilizamos outras mídias e interações para que fique mais atrativo para o usuário final. Sem falar que a plataforma já estará totalmente pronta para a utilização de óculos de realidade virtual quando ele der o "boom" de utilização, da mesma forma quando teve com os smartphones. Tem sido muito gratificante fazer parte do programa”, diz Laís. ECONOMIA CRIATIVA - As atividades do programa Economia Criativa tiveram início no dia três deste mês com uma aula inaugural na sede da Tec Incubadora, que fica na Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (Uenf). A Seduct divulgou o resultado final do Edital 07/2022, referente ao Programa, no diário oficial do município no dia 24 de outubro com a lista dos classificados, que se tornaram bolsistas empreendedores. Foram selecionados 10 projetos com propostas enquadradas em diferentes modalidades temáticas: Céramique Pratos e Utensílios de Cerâmica; Caiana Slow Fashion; Cidade da Criança em Metaverso; Human, Editora Campista; Ateliê Modelo para Qualificação de Profissionais Técnicos em Moda; Memória Literária: Patrimônio Cultural e Ambiental de Campos dos Goytacazes; G- Way Academy; INTERIORIZA: startup de interiorização de festivais criativos e Uzze Loft Aposte na Moda”, disse. A gerente de Articulação de Projetos da Seduct, Adriana Crespo, acrescentou que a Economia Criativa estimula a geração de renda, cria empregos e oportunidades, e promove a diversidade cultural e o desenvolvimento humano. “Vamos oferecer duas bolsas por projeto e cada bolsa custa R$ 1.100,00. Isso significa que cada projeto vai receber R$ 2.200 mensais, durante 4 meses. Ou seja, são quase R$ 9 mil reais em quatro meses. Os aprovados vão fazer um investimento de apenas R$ 2 mil reais para se capacitarem no curso de plano de negócios que a Tec Incubadora está oferecendo, restando, ainda R$ 6.800,00 para o projeto. É uma grande oportunidade que a Prefeitura está concedendo por meio da Secretaria de Educação, Ciência e Tecnologia”, explicou Adriana.

7 visualizações