Com paralisia cerebral, estudante entra na universidade pública

Paola cursou o Ensino Fundamental nas Salas de Recurso das escolas municipais e foi aprovada, em 2021, para o Curso de Psicologia na UFF-Campos


Paola Rangel de Brito, 21 anos, tem uma história de muitas dificuldades, lutas, superações e vitórias. Ela nasceu em São João da Barra com diagnóstico de paralisia cerebral e foi transferida para o Hospital Plantadores de Cana, em Campos, onde ficou internada por dois meses entre a vida e a morte. Precisou de atendimentos de equipe multiprofissional para sobreviver: cardiologista, fonoaudiólogo, psicólogo, neurologista e fisioterapeuta. Mas ela e sua mãe Luciana não desistiram em nenhum momento. Paola cursou todo o ensino fundamental na rede municipal da Prefeitura de Campos e, este ano, ingressou na universidade pública, após ter sido aprovada para o curso de Psicologia da Universidade Federal Fluminense (UFF-Campos)


A mãe de Paola conta que a luta pela vida sempre foi muito intensa e relata com emoção o forte sentimento que nutre pela filha. “Eu não podia trabalhar, tinha de ficar com ela, que ficou sete anos sem andar e sem falar. A interação com a sociedade era bem difícil. O ser especial e a mãe da criança especial têm de lutar muito para chegar em algum lugar”, disse Luciana.


“Tudo foi muito difícil. A Paola estudou na Creche Irmã Dulce, na Escola Municipal Sebastiana Machado e, depois, na Escola Municipal Leopoldino Maria, onde foi atendida com muito amor, com muito carinho, na sala de recursos pela professora Bete, a qual foi imprescindível para a evolução de Paola, porque ela sempre foi muito inteligente, mas faltava o espaço dela. O que ela conseguiu na sala de recursos, com objetos, com o computador com teclado em colméia e quadro áb